Françoise Hardy - Mon amie la rose


 
AccueilBlogMurAccueilDiscographieParolesReprisesVidéosPresseLiensGalerieFAQS'enregistrerRechercherConnexion

Partagez | 
 

 28 avril 2018 - Não há ninguém como Françoise (Artes)

Voir le sujet précédent Voir le sujet suivant Aller en bas 
AuteurMessage
Jérôme
Administrateur
Administrateur
avatar

Masculin Nombre de messages : 9352
Age : 55
Localisation : Paris
Date d'inscription : 04/08/2007

Message(#) Sujet: 28 avril 2018 - Não há ninguém como Françoise (Artes) Sam 28 Avr 2018 - 17:25

ARTES

28 DE ABRIL DE 2018
João Gobern

Não há ninguém como Françoise


Nos anos 1960, Françoise Hardy ficou quase instantaneamente famosa com "Toutes Les Garçons et Les Filles"

Só mesmo esta parisiense poderia reabrir, com a elegância e melancolia habituais, uma carreira oficialmente encerrada. "Personne d"Autre" é o título certo para um reencontro emotivo.


Dar de caras com Personne d"Autre - 28.º disco, se forem levadas em conta as edições em França, de uma carreira que nasceu há bem mais de meio século para embalar namorados ("tous les garçons et les filles de mon âge se promènent dans la rue deux par deux") e que com o tempo passou a comover tantas gerações - vale uma primeira vitória.

Tudo indicava que L"Amour Fou, lançado em 2012 e sendo já o quinto manifesto público da cantora e autora nos anos 2000, estaria condenado a assumir o papel de último testemunho. Basta recordar o que dizia Françoise: "Creio ter chegado ao ponto em que a inspiração não me visita com a frequência indispensável. Teria de acontecer algo de verdadeiramente inesperado, quase insólito, que me levasse a regressar aos estúdios. E também que houvesse um forte sopro de energia, que me permitisse ultrapassar os problemas de saúde que me afligem nestes tempos mais chegados."

Hardy lutou durante dez anos contra um cancro no sistema linfático, cuja remissão "total" só foi anunciada - pelo filho, Thomas Dutronc, músico, produtor e exímio guitarrista - em fevereiro de 2016. Como se não bastasse, uma queda, brutal e caseira, deixou-a quase sem possibilidades de andar e obrigou-a um internamento prolongado, de quase meio ano, numa clínica especializada. Estamos, afinal, perante um daqueles casos em que a contradição se saúda, porque Hardy voltou em pleno às gravações, e em que o milagre pessoal tem ótimas consequências para o universo dos melómanos.



Françoise Hardy, agora com 74 anos, acabaria por gravar o seu primeiro disco em 1962, beneficiando então de uma ajuda involuntária da política: a 18 de outubro desse ano, a França vai às urnas para referendar a eleição, por sufrágio direto e universal, do presidente da República. Na emissão televisiva, um dos intervalos musicais para amenizar a espera por um veredicto é entregue a Françoise Hardy e a Tous Les Garçons et Les Filles. No dia seguinte, pode falar-se em dois grandes vencedores do serão: Charles De Gaulle e Françoise Hardy, cujo disco chegará - antes do fim do ano - a meio milhão de exemplares vendidos.


Aos 74 anos, Hardy edita o seu 28.º álbum, "Personne d’Autre" | Getty Images

No ano seguinte, a brisa do êxito tornou-se vendaval: Françoise foi capa da revista Paris Match, representou o Mónaco no Festival da Eurovisão, foi chamada por Roger Vadim para o cinema (Castelo na Suécia valeu como estreia, sendo presença assídua até 1967) e tomou conta do Olympia parisiense, nas suas primeiras grandes apresentações em palco.


Elegância e atenção


Daí em diante, a história é (re)conhecida. Depreende-se que Hardy teve tempo, talento e técnica para cantar tudo, incluindo Victor Hugo e Louis Aragon. Entre os seus próximos, francófonos, vai de Django Reinhardt a Charles Trenet, passando por Georges Brassens, Gilbert Bécaud, Serge Gainsbourg, Georges Moustaki, Jacques Dutronc (o amor da sua vida, de quem está separada, mas não divorciada, desde 1988), Michel Jonasz, Gabriel Yared, Catherine Lara, Etienne Roda-Gil, Michel Fugain, Daniel Gérard, Alain Souchon, Etienne Daho, Arthur H., Calogero, Jean-Louis Murat, Jacques Higelin, Julien Doré ou Benjamin Biolay.

Atenta ao que se passa noutros quadrantes, também gravou - na língua original ou em adaptações para francês - originais de Paul Anka, Burt Bacharach, Leiber & Stoller, Goffin & King, Buddy Holly, Everly Brothers, Tim Hardin, Phil Ochs, Buffy Sainte-Marie, Neil Young, Randy Newman, Ray Davies e Perry Blake, sem esquecer os brasileiros Jobim, Chico Buarque e Taiguara, o espanhol José María Caño e o italiano Adriano Celentano. Com tudo isto, é legítimo e rigoroso dizer que Françoise se canta sobretudo a si mesma.

Isso mesmo volta a provar-se em Personne d"Autre, disco de elegância extrema (desde o primeiro momento, em que uma guitarra atmosférica resume, de imediato, o ambiente do disco), de uma melancolia aconchegante, que Françoise Hardy define como "adequada" para uma mulher da sua idade. As palavras - que a cantora raramente cede a terceiros - falam-nos, com a propriedade de quem viveu mas sem a soberba de quem só tem certezas para mostrar, de cumplicidade, de perda, de sublimação, de envelhecimento, da mudança nas alegrias (por oposição aos êxtases), dos entusiasmos que não desaparecem com a maturidade.



Nas doze canções, a "velha senhora" continua a mostrar olho clínico, ao acolher uma canção da moderna La Grande Sophie e ao transformar um original do obscuro grupo finlandês Poets Of The Fall. Mas até esses "sinais exteriores" entroncam perfeitamente na linha condutora de um álbum em que a voz não perde frescura e capacidade de - sempre sem esforço - nos arrebatar.

Depois, há outra vez a sinceridade desta "primeira-dama", sem nada a perder: ela confessou que parte das canções (como o tema-título ou Train Spécial) corresponde à sua narrativa do que viveu com Jacques Dutronc. Capaz de continuar a inspirar muitas gerações de vozes femininas da francofonia, de Zaz a Pomme, de Olivia Ruiz a Jenifer, de Joyce Jonathan a Louane, Personne d"Autre vale como um arremedo de biografia (e Hardy conseguiu um enorme sucesso com as suas memórias, em Le Desespoir des Singes, livro de 2008) e como um testemunho que pode perdurar. Soa a despedida, é certo. Mas, com Françoise Hardy, nunca se sabe. E fossem todas assim...

Source : https://www.dn.pt/artes/interior/destaque-nao-ha-ninguem-como-francoise-9291245.html
Revenir en haut Aller en bas
http://mon-amie-hardy-rose.blogspot.com
Jérôme
Administrateur
Administrateur
avatar

Masculin Nombre de messages : 9352
Age : 55
Localisation : Paris
Date d'inscription : 04/08/2007

Message(#) Sujet: Re: 28 avril 2018 - Não há ninguém como Françoise (Artes) Sam 28 Avr 2018 - 17:25

Pour pouvoir lire la suite de ce message, participez à la discussion en répondant au sujet
Revenir en haut Aller en bas
http://mon-amie-hardy-rose.blogspot.com
 
28 avril 2018 - Não há ninguém como Françoise (Artes)
Voir le sujet précédent Voir le sujet suivant Revenir en haut 
Page 1 sur 1

Permission de ce forum:Vous ne pouvez pas répondre aux sujets dans ce forum
Françoise Hardy - Mon amie la rose :: Françoise à bâtons rompus :: Actualité de Françoise-
Sauter vers: